Namorando no portão!

Padrão

Durante meses me foquei em outras coisas e esqueci meu blog, mas não deixei de admirar e planejar restaurar coisas retrô.

Com um pouco de fôlego para minha casinha ‘nova’, uma cama planejada há anos.. agora namoro as cabeceiras e como não poderia deixar de ser para uma apaixonada por gradis, lá vai uma seleção que eu achei numa simples busca:

Créditos Google Images

Image

Image

Esta me parece uma grade de janela, perfeita!

Image

A Gótica ^^

Image

Quarto de menina romântica!

Achei no Pinterest:

Image

Belo e simples para um quarto de menino

Image

A Luxuosa

E pra fechar um parzinho que não pode fazer falta no quarto: ABAJOURS!

Esses só valem se a cabeceira escolhida for clean, e tomando cuidado ao equilibrar as cores!

Image

Agora é sair e garimpar as demolições em busca da minha grade perfeita…

Bom final de semana, bons tempos a todos os navegantes!

A história de Mary Ellen e como ela me influenciou

Padrão

Sra. Solução

 

Eu e meus irmãos já sorrimos muito na infância, ouvindo uma vizinha nordestina chamar sua filha na rua: “MériÉlennn” era uma espécie de bordão da minha família quando queríamos tirar sarro de alguém que estava muito tempo ocupado com algo, enrolando, atrasado…

Aos 30 anos em um evento conheci uma recepcionista que se apresentava como Fernanda porque tinha muita vergonha da composição do seu nome “Mary Ellen” e neste ponto, me dei conta que aquele nome curioso, vinha de alguma inspiração, admiração… Como tantos outros nomes abrasileirados (assunto tão vasto, que renderá outro post, outra hora). Nesta altura comecei a acreditar que tinha algum fundamento, mas nunca fui pesquisar e ver de onde vinha.

A matéria anterior 6 dicas de utilidades para Amido de Milho, eu li há bastante tempo num livro da minha sogra, que procurei para transcrever outras valiosas dicas.. e quando me deparo com ele, eis que descubro ser um dos Best Sellers da autora Mary Ellen, famosíssima nos EUA desde a época em que eu nasci ou pouco antes, por isso na minha geração, algumas mães fãs dessa mulher, a homenagearam com esse tão, digamos, diferente nome!
Para começar a saborear as dicas da tia Mary Ellen, vamos à sua breve biografia:

Mary Ellen Pinkham é conhecida como uma solucionadora de problemas práticos, com uma abordagem divertida e inovadora para lidar com as tarefas diárias.
Cresceu em Minneapolis e colecionou escritas com pequenas dicas de soluções, como uma valiosa dica para tirar chiclete do cabelo: com manteiga de amendoim. Compilou essas sugestões e publicou um encadernado que vendeu surpreendentes 500.000 cópias!!! Em 1979 se uniu à Warner Books e até hoje já vendeu mais de 13 milhões de exemplares, divididos em diversos títulos. Tornou-se uma autoridade nos EUA e em outros países como Japão, Alemanha, Inglaterra, França, Itália, México e (porque não?) no Brasil!
Hoje tem colunas nas principais TVs americanas e em impressos importantes, além de associar seu nome à marcas de excelência e vender milhões em produtos de seus parceiros como Palmolive, Borax, Bic, etc.”

 

De posse do livro Dicas, Truques e Quebra Galhos irei explorar iniciativas que há mais de 30 anos fazem sucesso e adequar à nossa realidade atual.

Para a 15° postagem, um personagem muito importante, demorou a sair do forno, e promete agora nos ajudar muito nessa tarefa de modernizar, analisar e reaproveitar tudo o que for ajudar nosso planetinha a se ver livre de mais insumos, químicas…

 

Para saber mais sobre os produtos da Mary Ellen clique aqui.

 

Nota

A farinha branca e fininha do grão de milho, o amido, mais conhecido como maizena, é um poderoso emulsificante, ou seja, dá consistência cremosa às receitas. Isso porque, ao serem aquecidos, os grânulos incham e encorpam. Mais: por não se diluir na água, a maizena é eficiente na limpeza de vidros, tecidos, pisos e metais. Pensa que suas utilidades terminam aí? Nada! Veja a seguir:

Deixa a goma das roupas na medida certa

Camisas, lençóis e toalhas de mesa ganham um leve engomado e ficam muito mais fáceis de passar se, após o último enxágue, você deixá-los de molho por alguns segundos numa solução de água com maizena - para cada litro de água adicione 1 col. (sopa) do amido de milho e um pouco de amaciante.

Remove gordura em tecidos e pisos

Para tirar mancha de gordura da roupa, cubra o local com maisena por alguns minutos e esfregue. Retire o pó e repita a manobra até que a mancha suma. Para eliminar borrões de óleo na garagem, cubra-os com maizena, espere algumas horas e lave com detergente, esfregando com uma escova de cerdas firmes.

Maizena limpa prataria

Travessas, brincos, anéis e tudo que for de prata pode ficar brilhando sem esforço se você aplicar sobre eles, cobrindo toda a superfície, uma mistura de água e maizena, na proporção que forme uma pasta consistente. Deixe secar ao sol e retire com uma flanela.

Reaviva as cores dos bichos de pelúcia

Os bichinhos desbotaram com o tempo? Faça o seguinte: depois de limpos e secos, espalhe maizena neles, esfregue-os com uma escova macia, espere uma hora e remova a maisena com aspirador. Ficam quase como novos!

Deixa as janelas tinindo

Tire as manchas de gordura deixadas pelos dedos nos vidros com essa solução: em um balde,
misture 2 xícaras (chá) de água e 1 xícara (chá) de maizena. Agite bem e aplique com um pano limpo. Depois, seque usando um pano seco que não solte fiapos.

Maizena tapa buracos

Esconda os furinhos de prego na sua parede branca com esse truque: misture 2 col. (sopa)
de maizena, 2 col. (sopa) de sal e 4 col. (sopa) de água. Misture bem, aplique nos buracos com
uma espátula de plástico e limpe em volta com um pano úmido.

Essa última foi a única que eu testei e REALMENTE funcionou! Está aprovado e recomendado!

Vale a pena ver se é necessário adquirir uma lata, por menor que seja, de massa corrida para corrigir pequenas imperfeições e tapar pequenos furos na parede. Me parece bem mais justo com o planeta que utilizemos esses recursos da vovó para diminuir nosso impacto.

Fonte M de Mulher – Editora Abril - 6 jeitos diferentes de usar maisena – Limpeza – Casa – MdeMulher – Editora Abril.

6 Jeitos Diferentes de Usar Maizena (amido de milho)

Justine e Jasmine, duas provas do desrespeito humano com seu próprio sacrifício!

Padrão

Em plenos tempos de crise mundial, de crise ecológica, de crise financeira generalizada, quando um dos maiores eventos do mundo se propõe a lutar para desmistificar o glamour… Vejo notícias assim:

Nota 10
Salão de móveis de Milão prima pela sobriedade, porque agora o que conta não é mais o conceito luxo, mas a funcionalidade dos produtos, seu comprometimento com o meio ambiente, sua vida útil prolongada.

Image

Justine R$7.980,00 e Jasmine entre R$4.660,00 e R$9.980,00

Nota ZERO!
Jimmi Choo lança bolsa Justine com couro de bezerros (olha que judiação) e Clutch Jasmine, com valores irrisórios:  Bolsa a R$ 7.980,00 e Clutch entre os módicos R$ 4.660,00 e 9.980,00… 

 

Enquanto isso no 3° mundo as crianças morrem de fome na Etiópia, no Brasil não tem escola e saúde de qualidade, os Haitianos estão fugindo para o Brasil para se livrar dos escombros e da miséria.

Que tem ricos o suficiente para consumir estes produtos, eu não tenho dúvidas, mas para quê?

Não me conformo de alguma mulher, por mais fútil que seja, ter a coragem de dar 10 mil reais por uma carteira de mão que irá usar duas ou três vezes – no máximo. Onde está a consciência dessas pessoas?

E a jornalista que publica essas notícias? Ela vive de salário de jornalista, ganha uma ou duas bolsas dessas aí apenas para citar no MSN notícias que existe essa aberração.

Essa marca que eu cito acima é uma entre tantas as que afrontam a inteligência e a capacidade de qualquer ser humano trabalhador, que conhece o valor do seu dinheiro com produtos ditos de ‘luxo’… o grande luxo é ter discernimento entre o que é a necessidade e o que é a futilidade, gastar o necessário e realmente dividir com quem mais precisa.

Aposto que muitas brasileiras loucas irão aderir a essa modinha, afinal, quantas Victor Hugo não se vendem? Quantas bolsas Louis Viton?

Eu digo para essas senhoras: Enfie seu cérebro no fundo do bolsinho dessa bolsa! E perca-o.
Já que não usa, ele não irá fazer falta alguma, quem sabe um espaço vazio entra coisa mais interessante do que o consumismo!

Image

Absurdos do mundo Fashion...

Serralheria Colonial

Padrão
Image

Gradil

Uma das coisas que mais aprecio em viagens para cidades históricas são os gradis, portões e toda a serralheria em estilo colonial. Casas seiscentistas e setecentistas me encantam, nessa época  os recursos eram trazidos de Portugal, ou mesmo o artista serralheiro vinha entalhar seus portões-obra-de-arte in loco.

As escolas de arquitetura em estilo Neoclássica, Barroca e Rococó tinham particularidades e buscavam externar o glamour, o luxo da época… As classes sociais eram divididas de acordo com o estilo e o tamanho de suas casas. Antigamente além da proteção, os gradis diziam se ali morava uma pessoa simples ou endinheirada!

Hoje isso não se reflete tanto, pois em tempos de superpopulação, está mais para “quem mora na caixa de fósforos mais bem decorada é o vencedor” a importância dos detalhes se diluiu e se transformou em uma rede de nylon para proteger as crianças das alturas.

Hoje em dia decoradores e donos de novas residências se preocupam com a decoração suntuosa, minimalista e com peças de designers renomados, se esquecem de que o simples e antigo podem fazer toda a diferença, da entrada à cabeceira de cama.

Image

Biombo colonial re-utilizado como cabeceira

Pesquisando no Mercado Livre, descobri que uma obra de arte em ferro, pode custar muito, talvez custe mais pelo valor histórico da peça.

O importante para aplicar a técnica hoje em dia é planejar com um profissional gabaritado e principalmente seguir o estilo dos donos da casa, não adianta colocar uma fachada colonial se você planeja uma casa clean, minimalista e moderna por dentro… Tudo tem que ornar!

Comprar uma peça antiga e recondicionar é o que eu acho mais válido, porque toda a história daquela relíquia fará parte da sua história também, a reutilização de materiais é o que há de mais importante, não vamos desperdiçar insumos, mesmo que para isso, sejam necessários retalhos de ferro e alguma solda (se bem feita ficará imperceptível). Além do charme de um portão retro, o resgate dessa época trará segurança reforçada, o ferro fundido dificilmente é arrombado, porque demandaria muito esforço!

Image

Para recondicionar, um portão por R$ 1.800,00

Image

Menos colonial, mais cool!

Fonte de Imagem: Google